Patrimônio ambiental, Museu Felícia Leiner é um passeio imperdível

Localizado em meio a uma remanescente de Mata Atlântica, este é um dos passeios imperdíveis em Campos do Jordão (SP).

22/06/2017 | 10:51
Última atualização: 30/06/2017 | 11:36

Foto: Divulgação

Muito ar fresco, luz do sol e contato com a natureza. Este é o Museu Felícia Leiner, localizado em meio a uma remanescente de Mata Atlântica, em Campos do Jordão (SP). Tema da última matéria produzida pelo PIRDIGITAL sobre um olhar diferente da cidade, este é um dos passeios imperdíveis que devem feitos pelos turistas.

Abençoado com tanta beleza, o local fica em uma área com cerca de 35 mil metros quadrados e é rico nos detalhes – vão se horas de passeio em meio ao jardim de esculturas que se integram com a natureza. A dica para quem for visitar o museu a céu aberto, considerado um dos mais importantes do gênero no mundo, é se organizar para observar o pôr do sol no local: é simplesmente maravilhoso e emocionante.

Museu
Inaugurado em 1978 e oficializado em 2001, o acervo do museu reúne 85 esculturas da artista em bronze, cimento branco e granito, distribuídas ao ar livre, a critério da própria Felícia, sobre o gramado e à beira de alamedas no jardim do espaço que divide com o Auditório Claudio Santoro.

Os trabalhos revelam sua paixão pela natureza e retratam o conjunto de uma obra dividida em cinco fases: Figurativa (1950 a 1958), A Caminho da Abstração (1958 a 1961), Abstrata (1958 a 1961), Orgânica (1966 a 1970) e Recortes na Paisagem (1980 a 1982).

A área onde está instalado é um patrimônio ambiental, com 110 espécies de plantas fanerógamas e árvores que medem cerca de 25 metros de altura – inclui as robustas Araucárias, que tornam a paisagem ainda mais inspiradora. Além disso, estudo realizado pelo Centro de Monitoramento da Serra do Itapequy (Cemasi) aponta 92 espécies de aves, 19 delas endêmicas da Mata Atlântica, e 10 espécies de mamíferos.

Felícia Leiner
Felícia Leirner foi considerada uma das mais importantes artistas do país, conquistou prêmios nacionais e internacionais. Seus trabalhos foram divididos em cinco fases: Figurativa (1950 a 1958); A caminho da abstração (1958 a 1961), Abstrata (1963 a 1965), Orgânica (1966 a 1970) e Recortes na paisagem (1980 a 1982).

Nascida em 1904, em Varsóvia na Polônia, Felícia Leirner veio para o Brasil, país que adotou como pátria, em 1927.

Serviço
Museu Felícia Leiner e Auditório Claudio Santoro
Local: Avenida Dr. Luis Arrobas Martins, 1880 – Alto da Boa Vista
Telefone: (12) 3662-6000
Funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 18h
Entrada: R$ 10 por pessoa;. R$ 5 (estudante e idoso); Gratuidade aos domingos
Informações: contato@museufelicialeiner.org.br e www.museufelicialeiner.org.br

* A jornalista Juliana Franco viajou para Campos do Jordão (SP) a convite do Convention & Visitours Bureau

Foto: Divulgação/Site

Foto: Divulgação/Site

Foto: Divulgação/Site

Foto: Divulgação/Site

Foto: Divulgação/Site

Foto: Divulgação/Site

Foto: Divulgação/Site

Foto: Rodolfo Ustulin (Piracicaba Digital)

Foto: Rodolfo Ustulin (Piracicaba Digital)

Foto: Rodolfo Ustulin (Piracicaba Digital)

Juliana Franco

Diretora de Jornalismo | PIRADIGITAL | juliana@piradigital.com.br

maxgourmet

PIRADIGITAL © 2017 Todos os direitos reservados