Maternidade de Campinas faz campanha para repor estoques do Banco de Leite

Atualmente os estoques não têm ultrapassado 120 litros de leite por mês.

27/09/2018 | 14:30
Última atualização: 27/09/2018 | 15:19

Foto: Divulgação.

A Maternidade de Campinas começa esta semana uma campanha para a arrecadação de leite materno. O ideal para suprir com tranquilidade os 40 leitos da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) Neonatal (recém-nascidos) seria um estoque médio de 200 litros. No entanto, o Centro de Lactação – Banco de Leite Humano da Maternidade – tem recebido cerca de 100 a 120 litros de leite por mês. Cada litro de leite materno doado pode alimentar até dez recém-nascidos por dia.

O Banco de Leite começou o ano coletando 96 litros e, gradativamente, conseguiu aumentar os estoques para quase 154 litros em maio. No entanto, desde junho a quantidade doada está em queda, atingindo 127,7 litros em agosto. Preocupada, a Maternidade de Campinas lança a campanha para estimular as doações.

Coleta na região
A coleta de leite materno não se limita às mães que realizam partos na Maternidade de Campinas. Para abastecer o Banco de Leite Humano são retiradas as doações nas residências das mães que moram também em outros municípios.

Para ser doadora é necessário que a mulher seja saudável, que esteja amamentando o próprio filho e que tenha uma produção excedente de leite após a mamada. O contato pode ser feito diretamente com o Banco de Leite pelo telefone (19) 3306-6039 para o preenchimento do cadastro. São solicitados exames de sangue, provavelmente já realizados no pré-natal.

O Banco de Leite começou o ano coletando 96 litros e, gradativamente, conseguiu aumentar os estoques para quase 154 litros em maio. No entanto, desde junho a quantidade doada está em queda, atingindo 127,7 litros em agosto. Preocupada, a Maternidade de Campinas lança a campanha para estimular as doações.

Caso a doadora não os tenha, os exames são agendados na própria Maternidade de Campinas. Todo material para a coleta e estocagem, que podem ser feitas pela doadora em sua própria residência, é fornecido pelo Banco de Leite.

A coleta na residência é feita pelo motorista da Maternidade, acompanhado por uma técnica de enfermagem do Banco de Leite, de segunda a sexta-feira. O leite doado é transportado pelo Banco de Leite em caixas isotérmicas com gelo (geloc) e com controle de temperatura feito por termômetro digital.

Para ampliar essa coleta na região, o ideal seria que o hospital também tivesse um veículo exclusivo para isso. “O hospital precisa da ajuda da sociedade e da iniciativa privada para conseguir recursos para a compra de um novo veículo. Iniciamos uma série de campanhas para a arrecadação de recursos para esse fim”, explica o presidente da Maternidade de Campinas, Dr. Carlos Ferraz.

Oferecimento de exames
Para evitar o descarte do leite armazenado, a Maternidade de Campinas passou a oferecer às mães os exames de sorologia necessários para atestar a qualidade das doações. As doadoras podem fazer os testes às segundas-feiras, das 13h às 15h, no ambulatório do hospital. É necessário apenas fazer o agendamento prévio.

A realização do exame no hospital foi facilitada para melhor atender às doadoras. Antes, as mães tinham que providenciar por conta própria os exames. Muitas mulheres usavam o sistema público de saúde, mas a estrutura dos centros de saúde nem sempre possibilitava agilidade na realização dos testes, o que resultava em um índice elevado de descarte de leite. A meta é zerar o descarte.

O Ministério da Saúde preconiza que, para a Região Metropolitana de Campinas (RMC), é necessário realizar as sorologias de sífilis, hepatites B e C, doença de Chagas, HTLV (Vírus Linfotrópico da Célula Humana) e HIV (Aids). As crianças internadas na UTI Neonatal têm um peso extremamente baixo e precisam de cuidados especiais. Por isso, é preciso garantir a qualidade do leite – sem nenhuma contaminação.

Piracicaba Digital

PIRADIGITAL © 2017 Todos os direitos reservados