Na música e na vida é preciso estar afinado com as pessoas ao redor

O relacionamento faz parte do dia a dia de qualquer ser humano e, por isso, é essencial que aconteçam de forma leve.

03/10/2018 | 11:00
Última atualização: 02/10/2018 | 21:51

Foto: Banco de imagens (Pixabay)

Nos últimos textos escrevi algumas das minhas memórias e experiências no mundo musical. Como foi gostoso receber mensagens de amigos que puderam relembrar as suas experiências por meio da leitura da nossa coluna. Recebi diversas mensagens pelo WhatsApp, de amigos que já não vejo há muitos anos. Alguns moram aqui no Brasil e vários deles no exterior, mas o fato de morarem longe e de não nos vermos há tantos anos não diminui o sentimento de carinho, amor e respeito por tudo o que eles são para mim. Em todas as mensagens, escreveram sobre o tempo que não nos vemos. Alguns já não vejo há 20 anos e outros um pouco mais, mas tempo e distância não alteram amizade quando ela é verdadeira.

Aproveitando que estamos falando sobre “tempo”, essa palavra que tem várias utilizações na nossa rica Língua Portuguesa. Medida cronológica, condição climática e também como velocidade de uma música. Quem já assistiu ensaios de grupos musicais já deve ter ouvido os músicos dizendo que o tempo estava muito rápido ou muito lento, ou que o tempo não pode variar. Maestros dizem com frequência: “olhem para mim pois nestes compassos o tempo vai rallentando”.

O tempo, que também pode ser chamado de andamento ou pulsação é um dos elementos mais importantes da música, pois é ele que nos permite ouvir a música de forma organizada. Não adianta nada um compositor escrever linhas melódicas maravilhosas, acompanhadas de harmonias sofisticadas mas não escrever os ríamos, isto é, o tempo de duração das notas.

Se escrevermos num papel o nome das notas por extenso, não teremos a menor idéia de como a música soa, pois ali não temos a divisão rítmica. Infelizmente, muitas pessoas ainda ensinam música desta maneira. Ao invés de ensinarem a leitura de uma partitura, possibilitando ao aluno a execução de toda e qualquer música, preferem ensinar uma música que já é conhecida do aluno, assim pode-se somente escrever os nomes das notas e ele toca o ritmo de memória. Mas isso é assunto para um outro texto.

Tenho falado muito sobre tocar em conjunto, o quão benéfico é para as pessoas este exercício, pois são momentos que devemos abrir mão do EU para nos transformarmos em NÓS. Tocar ou cantar em um naipe é uma experiência incrível, pois eu devo estar em total sintonia com os meus companheiros de naipe. Quando toquei na Orquestra Experimental de Repertório, era Spalla dos Segundos Violinos e o meu trabalho era fazer com que 16 violinistas tocassem como se fossem 1 só.

Continuo com este trabalho na Orquestra Sinfônica de Limeira e também aqui na Sinfônica de Piracicaba. Este é um desafio que temos que encarar todos os dias na carreira de músico, tocar com a mesma afinação, o mesmo ritmo e a mesma dinâmica que todos os meus colegas de naipe e também da orquestra toda. Isso exige que cada um abra mão das suas individualidades em benefício do todo. Se engana muito quem acha que fazer isso é fácil, ou que acontece do dia para a noite.

Para estar em sincronia e afinado com os outros é preciso muita dedicação, muita observação, audição apurada e muita, mas muita força de vontade. São muitos anos exercitando, investindo em materiais e dedicando muitas horas dos dias ( dias úteis, feriados, férias, Sábados e Domingos ) aos estudos.

Um dos investimentos que todo o músico deve fazer é na aquisição de um bom metrônomo. É um pequeno aparelho, que pode ser mecânico ou eletrônico, que ajuda os músicos a manterem o andamento. Quando o compositor escreve uma música, logo no início ele já determina se a música será lenta ( Adágio, Largo, Grave, Lento…) ou rápida ( Allegro, Vivace, Presto, Vivo…) e muitos compositores preferem ser mais precisos ainda e colocam até a indicação de metrônomo, por exemplo “Semínima = 80bpm”, ou seja, tocar 80 semínimas por minuto ( uma tradução bem grosseira do que significa esta indicação ).

Existe uma grande dificuldade em tocar com este aparelhinho, pois muitos de nós temos a tendência de tocar seguindo os batimentos cardíacos, que nem sempre estão de acordo com a música. Pessoas mais agitadas podem ter grande dificuldade em tocar músicas mais lentas e pessoas mais calmas podem ter dificuldade para tocar músicas mais rápidas por conta deste descompasso. Mas com bastante persistência é possível sim entrar na mesma sincronia que o metrônomo.

Quem assistiu o filme “Seven – Os Sete Crimes Capitais” deve se lembrar que o policial, interpretado pelo ator Morgan Freeman, chegava em casa depois de um exaustivo dia de trabalho, se deitava e ligava o metrônomo em andamento lento. Isto fazia com que os batimentos cardíacos dele ficassem mais lentos e com isso ele conseguia dormir.

Num grupo musical, quem não consegue entrar em sincronia com os colegas terá grande dificuldade para tocar as músicas e com isso a sua permanência no conjunto pode ficar comprometida, pois não estando na mesma frequência, o trabalho não terá progresso, e numa apresentação pública ele pode prejudicar a apresentação do grupo todo. Repetindo, para que o produto final seja de ótima qualidade, todos os músicos da orquestra, sejam 10 ou 120, precisam estar perfeitamente afinados e sincronizados. Um que esteja fora, pode comprometer o todo e isso não é só dentro de orquestras ou conjuntos musicais.

Em empresas, escolas, instituições ou seja lá onde for, temos que nos afinar e sincronizar com os outros. Isso não depende de afinidade ou amizade. Amigos para sair, conversar, dar risadas, podemos escolher, num ambiente de trabalho são colocadas pessoas com aptidão para a realização do serviço. Mesmo que eu não goste do meu colega ou tenha divergência de opinião, naquele momento preciso estar afinado e sincronizado com ele para produzir da melhor forma possível.

Como eu tenho que passar várias horas no trabalho, com várias pessoas, é melhor que isso seja feito com alegria e positividade, para que tudo soe de forma mais bonita, o público receba o produto com uma boa energia e me devolva isso com positividade também.

Voltando ao metrônomo, os aparelhos são regulados com muita precisão para que mantenham sempre a mesma velocidade, sem variações. Logo abaixo do texto, tem um vídeo mostrando uma experiência muito interessante, na qual 72 metrônomos são colocados sobre uma bancada, todos estão regulados para a mesma velocidade mas são ligados aleatoriamente.

Ao invés de cada um manter a sua própria pulsação, apenas alguns minutos após serem ligados, todos entram em sincronia e começam a bater juntos. Não tenho conhecimento suficiente de física e matemática para explicar isso, mas podemos trazer essa curiosidade para a nossa vida. Será que é tão difícil abrir mão do nosso Ego e entrar na frequência do todo.

Quando não consigo me adaptar ao ritmo dos meus companheiros, devo ser aquela pessoa chata que fica tentando se impor a todo custo, passando por cima de todo mundo ? Se não estou feliz com o meu trabalho, devo contaminar todos ao meu redor com o meu negativismo ou simplesmente devo admitir que não estou sendo capaz de me afinar e sincronizar com os outros ? É escolha de cada um a regulagem do metrônomo da vida.

Posso escolher treinar, buscar o auto conhecimento e permitir que os meus batimentos fiquem em sincronia com os outros de forma positiva. Mas se a escolha for de não entrar nesta sincronia, talvez já não deva fazer parte do grupo para não contaminar o ambiente, o trabalho, o produto e o público.

Vamos sentir como está a nossa sincronia e nossa afinação com o mundo, a natureza e as pessoas ao nosso redor?

Musicalize-se !!!

Se quiser um momento para ouvir boa música e recuperar energias para enfrentar a semana, acompanhe o programa “Opus 105,9”, todos os Domingos, das 20 às 21:30h pela Rádio Educativa FM de Piracicaba – 105,9 e o programa “Clássicos ao Cair da Noite”, todos os Domingos, das 21 às 22h pela Rádio Educadora AM de Piracicaba – 1060.

Uma ótima quarta-feira e uma semana repleta de música a todos. Confira  https://www.youtube.com/watch?v=HGllTCXEBDc

Luis Fernando F. Dutra

Luis Fernando F. Dutra

Luís Fernando F. Dutra é violinista, professor e maestro | Whatsapp : (19)99816-0509 | E-mail : luisfernandofischerdutra@gmail.com | Facebook : www.facebook.com/profile.php?id=100011059385474

PIRADIGITAL © 2017 Todos os direitos reservados