Maternidade é doação de alma, coração e corpo

A jornalista Juliana Franco fala sobre o “peso” do corpo depois da gravidez

08/01/2019 | 17:40
Última atualização: 08/01/2019 | 17:44

Foto: Banco de imagens (Pixabay)

Parece que foi ontem, mas lá se foram quase 12 meses desde o nascimento dos meninos. Com a aproximação do aniversário de um aninho desta dupla, resolvi parar e analisar como tenho me sentido. Não apenas no lado emocional – já falei um pouco sobre as misturas de emoções, privações, responsabilidades e inseguranças que chegam com a maternidade –, mas também do lado físico.

Um mês depois do parto, os palpites que me rondavam eram: “Nossa, como está magra”, “Você tem facilidade para emagrecer”, “Ah, certamente não tem tendência para engordar”, “Realmente amamentar emagrece”, entre muitos outros no mesmo contexto. Um ano depois, continuo ouvindo a mesma ladainha: “Você tem gêmeos? Magra assim?”.

Vamos lá, durante a gestação engordei 24 quilos. Sim, 24 quilos. Estes foram embora em 60 dias. Não porque eu me matei em dietas, exercícios ou coisa parecida. Como muitos dizem, eles foram embora porque tenho sorte. Pode ser!

Mas, sinceramente? O meu corpo ainda não é meu. Ao menos é assim que me sinto. Ao olhar no espelho, os peitos não agradam, a barriga saliente com gordurinha também não. A flacidez então? Esta me apavora.

Pois é, a maternidade trouxe marcas para o meu corpo. Muitos vão me julgar: mas estas marcas também doem.

Por outro lado, quando me olho no espelho, em meio ao cabelo amarrado (diariamente), as olheiras (que nem sempre são escondidas pela maquiagem), as unhas e as sobrancelhas por fazer, vejo uma mulher que se entregou ao papel de mãe.  Hoje, empresto meu corpo para que os meninos se sintam protegidos e seguros. Mesmo com todas as imperfeições, ele carrega muito amor e acredito que não exista corpo melhor para eles.

Sei que um dia o corpo voltará a ser novamente meu. Mas, enquanto isto, prefiro focar no sorriso que, mesmo em momentos difíceis,  nunca deixou de existir para esta linda dupla.

E se vocês acham que conselhos são válidos, aí vai um: parir é difícil. Por isto, ao ver uma mãe fora dos padrões de beleza impostos pela sociedade, não julgue. Somos todas lindas, mães ou não. Cada uma a sua maneira, dentro ou fora de padrões.

Juliana Franco

Juliana Franco

Jornalista, sãocarlense, apaixonada por Piracicaba, viciada em café, viagens, boas histórias e livros. Mãe dos gêmeos Lucca e Luigi. | Instagram: @jufrancojor

PIRADIGITAL © 2017 Todos os direitos reservados