Ceviche: o peixe cru, que não está cru

A coluna Chame o Chef! fala sobre o tradicional prato peruano, que se popularizou em todo o mundo.

02/09/2017 | 10:30
Última atualização: 02/09/2017 | 09:50

Foto: Divulgação

O verão tá chegando e já podemos sentir as altas temperaturas se aproximando. É nesse clima que eu vou falar para vocês de um prato que eu gosto muito por sua simplicidade e riqueza de sabor e que cai muito bem nesse calorzão. É o ceviche!

O prato é de origem peruana, mas de influencia japonesa. O hábito de comer peixe cru dos japoneses foi adaptado ao gosto popular. Lá no Peru, antes de se goumertizar nas mãos do chef Gaston Acurio, o ceviche era servido nos bares, como comida do dia a dia.

Na verdade, o peixe do ceviche não está cru. Em contato com o ácido do limão por um tempo, ele acaba “cozinhando”.  Não da mesma forma dos grelhados ou assados, mas as proteínas do peixe desnaturam, o que tecnicamente podemos chamar de cozinhar.

Depois de escolher o peixe de carne branca de sua preferência, adicione suco de limão ao peixe cortado em finas fatias, de um tamanho que se consiga comer em uma bocada só, junte cebola roxa cortada em tiras bem finas, alguma pimenta vermelha fresca ao seu gosto, eu uso dedo de moça mesmo, um pouco de alho bem picado, coentro e um pouco de sal se necessário. Deixe o peixe descansando nessa marinada (líquido com temperos) por uns 30min, na geladeira, e sirva com chips de mandioquinha ou batata doce. É sucesso na certa.

E não descarte o líquido rosa leitoso que sobrou da marinada do peixe, ou leche de tigre. Diz a lenda que esse líquido dá a força de um animal para quem bebe. Então faça como os peruanos, coloque esse leche num copinho e beba!

Thaís Camargo

Thaís Camargo

Gastrônoma pelo Centro Universitário Senac de Águas de São Pedro (SP) e professora de gastronomia.

PIRADIGITAL © 2017 Todos os direitos reservados