12ª Parada LGBT acontece no Engenho Central

A programação tem início às 15h, com concentração entre as avenidas Independência e 31 de março.

09/11/2018 | 11:32
Última atualização: 09/11/2018 | 10:20

Foto: Divulgação (12ª Parada LGBT).

A 12ª edição da Parada LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) de Piracicaba, acontece no domingo (11 de novembro) com o tema “Se liga nesta Parada: quando o assunto é HIV, a Prevenção é Combinada!”. A programação tem início às 15h, com a concentração dos trios elétricos na rotatória São Vicente de Paulo, entre as avenidas Independência e 31 de março. O evento segue para o Parque do Engenho Central, onde será realizado o show com Aretuza Lovi e Quebrada Queer, a partir das 19h. A Parada é organizada pelo Centro de Apoio e Solidariedade à Vida (Casvi) em parceria com a Secretaria Municipal da Ação Cultural e Turismo (SemacTur).

A novidade deste ano são os dois ambientes montados para receber os participantes. Além do grande pátio para a realização dos shows, o armázem 07 será ocupado pela praça de alimentação, bar e os Djs Daiana Camargo, Lana Deville, Daniel Camargo, Giorgia Morgan, Julião, Rhadamando, Wesla Bravo, Rika Sabadin, Lari Mori e Morana Eervermore, que prometem agitar a festa. No sábado (10) acontecerá o Esquenta da Parada, em uma Casa Noturna da cidade, com apresentação do grupo paulistano Quebrada Queer e das Drags da Parada LGBT de Campinas, Suzana Werneck, Helloa Meirelles e Thalita Petrovani.

Segundo Anselmo Figueiredo, um dos organizadores do evento, o tema escolhido para a 12ª edição traz para a população LGBT de Piracicaba e região, a discussão sobre a prevenção ao HIV. “Os dados encontrados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) indicam que há um aumento considerável de infecção pelo vírus HIV, entre jovens de 19 a 30 anos de idade”, comenta.

“De 2007 a 2017 (junho) foram notificados 194.217 casos no Brasil”, aponta Móises Taglietta, coordenador municipal de IST e Aids.

“Pretendemos oferecer um espaço de cultura e cidadania para o público LGBT, abordando de forma educativa a prevenção às IST (infecções sexualmente transmissíveis), ao HIV e a AIDS, à luta contra a LGBTfobia, a promoção aos direitos humanos e cidadania da população LGBT e apresentações de artistas nacionalmente conhecidos”, explica Figueiredo.

Serão realizadas intervenções focadas na prevenção como: oferta do teste rápido para HIV por coleta de fluido oral, distribuição e disponibilização de preservativo masculino (de diferentes larguras nominais), preservativo feminino, gel lubrificante (em tubo e sachê), folhetos informativos sobre IST e HIV/AIDS e orientações sobre direitos e cidadania LGBT, por meio da parceria com a Defensoria Pública do Estado de São Paulo.

A Parada LGBT de Piracicaba conta, desde sua criação, com a participação do público de diversas cidades do interior paulista como Rio Claro, Limeira, Americana, Santa Bárbara D’Oeste, Rio das Pedras, Araras, Cordeirópolis, Iracemápolis, São Pedro, Águas de São Pedro, Hortolândia, Sumaré, Capivari, Monte Mor, Mombuca, Rafard, assim como com a presença de caravanas de cidades mais distantes como Campinas, Ribeirão Preto, Jundiaí, São Carlos, Araraquara, Catanduva, São José do Rio Preto e até mesmo da cidade de São Paulo. A organização estima para este ano, a participação de 35 mil pessoas, entre os que participam somente da concentração, do trajeto e/ ou do show.

 

Piracicaba Digital

PIRADIGITAL © 2017 Todos os direitos reservados